Cidade de Pozuzo

Oxapampa, Pasco, Peru

Sugerir Local a Visitar
54
Seguir para o local com GPS

O vale do rio Pozuzo já foi habitado desde tempos imemoriais por povos indígenas (amajes) e nativos (amueshas ou yaneshas) e ainda vestígios de penetração inca na área como plataformas e antigo miradouro. Na época colonial, foram os padres franciscanos que vieram evangelizar a área, fundando duas cidades na área: Asunción de Pozuzo com 164 indígenas aos cuidados do padre Francisco Honorio Matos e Nuestra Señora del Carmen de Tillingo com 100 indígenas sob o cuidado pastoral do pai. Francisco José Arévalo. No entanto, essas cidades foram abandonadas pelos padres que também forçaram os indígenas a partirem ante o perigo de que se juntassem à rebelião de Juan Santos Atahualpa que estava nas proximidades, mas depois os indígenas voltaram a ocupar a área de Pozuzo.



Na República, Ramón Castilla aboliu a escravidão em 1954 e proibiu a imigração asiática para favorecer a imigração da Europa. esperada e desejada pela maioria da classe dominante peruana, já que se pensava que somente uma imigração de homens europeus fortes ativaria dinamicamente a atividade econômica peruana. Entre as muitas concepções - errôneas - da época podemos apontar a "indolência" do índio peruano, a quem se atribuía o atraso em que mergulhou a agricultura e a atividade industrial do país; Com relação à maioria da classe política dominante do Peru, era considerado “impróprio” que um crioulo trabalhasse no campo ou se dedicasse a atividades comerciais, razão pela qual os negócios peruanos na época estavam nas mãos de imigrantes italianos. Francês e alemão (de acordo com as crônicas de Gerstäecker) a princípio e depois passaram para as mãos de imigrantes chineses e japoneses. Pensava-se que os europeus trariam “progresso” ao país por seu comportamento pró-ativo, conhecimento capitalista e habilidade técnica industrial trazida da Europa, bem como por suas habilidades comerciais e contatos com o mercado mundial, mercado ao qual o Peru ainda não estava apegado. .



Uma figura chave na imigração tirolesa para o Peru é o Barão Kuno Damián Freiherr Schutz von Holzhausen (nascido em Camberg - Ducado de Nassau - 15 de fevereiro de 1825). Muito jovem partiu para o Texas - EUA - motivado pela maciça emigração alemã (Auswanderug) para a América. Mas viu que nos Estados Unidos os alemães estavam perdendo rapidamente os costumes e achou que o melhor destino para eles seria a América do Sul.



Em 1853 chegou a Callao Kuno Damián Freiherr Schutz von Holzhausen, com destino final ao Chile, país em cujo sul o clima era bastante semelhante ao da Alemanha e onde se desenvolveram projetos de colonização alemã estimulados pelo governo. Em Lima, conheceu o então Ministro das Relações Exteriores Juan Manuel Tirado que, ao saber de seus projetos, o convenceu a não ir mais para o sul e estabelecer as projetadas colônias alemãs no Peru, na encosta oriental da Cordilheira dos Andes. Para o qual seria construída uma ferrovia desde a costa até um rio navegável que chega até o Amazonas e por este via a união das costas do Pacífico com o Atlântico, empreendimento titânico que Schutz acreditava possível devido ao boom econômico que o Peru vivia graças ao guano.



O primeiro contrato que o Barão assinou fracassou como resultado de uma revolução liberal em 1854 que removeu o presidente Echenique; Devido à crise política e militar que vivia o país, o barão teve que assinar outro contrato em 6 de dezembro de 1855 com o novo presidente, General Ramón Castilla. O contrato, em resumo, dizia o seguinte:



1. O contrato anterior foi considerado nulo pelo não cumprimento das datas de execução, que a colonização deve iniciar-se nas regiões mais próximas dos habitados da República e não nos seus confins, que não foram preparados para o efeito; motivo para assinar um novo contrato.

2. A proposta de Schutz de introduzir 10.000 colonos dentro de 6 anos a partir da data do contrato é apoiada.

3. Os colonos (gente robusta, de boa educação e católicos romanos) mantêm seus direitos estipulados no contrato anterior.

4. Schutz se compromete a reunir os colonos, levá-los ao Peru e à zona destinada à colonização, onde fará com que os colonos cultivem seus campos e construam suas casas.

5. A primeira colônia será de 500 indivíduos, que deverá chegar a Callao em 1856 e ficará localizada em Pozuzo, onde convergem os rios Delfin e Huancabambna, locais que serão condicionados para esse fim.

6. O governo pagará a passagem a Callao e os fornecerá alimentos e sementes durante o primeiro semestre, bem como implementos agrícolas que serão devolvidos pelos colonos 5 anos após a sua chegada e cada um receberá 30 pesos. nenhuma taxa de retorno.

7. Schutz terá um salário de 2.400 pesos por ano durante o período de colonização e receberá 140 léguas quadradas de terreno nos sítios das colônias. Assinado por Ramón Castilla e Juan Manuel del Mar.





O destino das planícies amazônicas mudou (Schutz viajou pessoalmente com o ministro Tirado para Caballococha e de lá para Manaus - Brasil para ver a viabilidade do projeto) para Pozuzo, já que anteriormente 2 tentativas de colonização alemã em Moyobamba haviam fracassado (entre 1850 e em 1853 chegaram 1096 alemães, trazidos por José Antolín Rodulfo).



Em 1856 o Barão Schutz viajou para a Alemanha onde encontrou considerável oposição aos seus projetos, sobretudo porque o fracasso da colonização em Moyobamba já era conhecido, sua intenção de recrutar alemães de Hesse, Renânia e Nassau fracassou, então ele pôs os olhos no Tirol, região católica com menos recursos. Publicou seu projeto de colonização do Pozuzo em um jornal alemão, e o padre beneditino Agustín Scherer conheceu o projeto que ajudaria seus companheiros camponeses e pobres artesãos e por isso recomendou o padre José Egg, capelão da cidade de Imst na Pousada Alto (Tirol). Após diálogo com o Barão, oficializou-se o apoio de ambos os religiosos, que foram autorizados a fazer buscas no Tirol pelas pessoas certas. A notícia de que estariam acompanhados pelo Padre José Egg, inspirou maior confiança, esperança e fé entre os aldeões tiroleses, onde cada pessoa que quisesse fazer parte do grupo, tinha que ter uma recomendação de boa conduta concedida pelo Pároco da sua localidade, É o caso da senhora Ana María Egg, da Villa de Silz, que ao saber que seus filhos queriam viajar também foi incentivada a receber sua recomendação.



Eles foram para Silz, uma cidade especialmente afetada pela pobreza, onde começaram a recrutar. Como primeira recomendação, Schutz afirmou que os camponeses que tinham algum dinheiro deveriam emigrar para a Hungria “onde não tenham que enfrentar situações desconhecidas” e que só vão para o Peru



Pozuzo é um belo vale cercado por montanhas e habitado por descendentes diretos de alemães e austríacos, preservando seus costumes e tradições trazidas por seus colonizadores.





Está localizado no departamento de Pasco, província de Oxapampa, a uma altitude de 700 m, em um belo vale na alta selva.



De Lima a distância é de 460 km, cruzando as três regiões naturais do Peru (litoral, montanhas e selva).



Pozuzo é um distrito do Peru cuja população é composta por descendentes de austríacos (tiroleses), alemães (Renânia e bávaros), mestiços e indígenas. Está localizado na província de Oxapampa, Departamento de Pasco na Selva Central do Peru.



Em memória dos colonos que chegaram e viveram nesta bela cidade, valorizando seus esforços com profunda gratidão, e com o desejo de resgatar esse patrimônio cultural, o Centro Histórico e Cultural é considerado como uma área e patrimônio cultural, um lugar representativo de Pozuzo no qual pode visitar:



IGREJA “SAN JOSÉ”: foi a primeira igreja edificada pelos colonos em 1875. Algumas estruturas são de madeira, outras são de pedra, cal e materiais nobres. Antes, existia um centro de oração com paredes e tectos de palmeira, que ficava a poucos metros do monumento a José Egg.



CEMITÉRIO DOS COLONOS: pitoresco campo sagrado onde repousam os restos mortais tanto do guia espiritual dos colonos, Padre José Egg, como dos pais Luis Ipfelkofer e Francisco Schafferer.



MUSEU SCHAFFERER: local onde são expostos, preservados e valorizados objetos antigos e pertences que os colonos trouxeram para Pozuzo, como ferramentas de trabalho, utensílios de cozinha, cerâmicas, fotografias, móveis de madeira, etc. Vestígios de culturas anteriores à presença europeia também são exibidos. No final do século passado, a construção foi feita pelos membros da Mutual Aid Society.



PONTE EMPERADOR GUILLERMO I: ponte pênsil histórica localizada sobre o rio Huancabamba, construída em 1877. Inicialmente era chamada de Ponte Central e favorecia a atividade comercial dos colonos com outras cidades como o porto fluvial Mayro e Huánuco. Ela se conecta com um belo caminho de freio totalmente natural, que guarda silenciosamente as pegadas e memórias dos colonos e de onde começa a Trilha Interpretativa Imperador Guillermo I.



CASA DO BUDWEISER: Estilo bávaro (alemão), com subsolo e lareira que percorre toda a casa, a mesma que possui fumeiro para produtos cárneos. Seu atual proprietário é o Sr. José Ballesteros.



CASA DE LA CULTURA: inaugurada em 2004, construída no estilo tirolês (austríaco), com o apoio da PRO KULTURVEREIN POZUZO ”(Associação para a Cultura de Pozuzo com sede no Tirol-Áustria); Município Distrital de Pozuzo e a Associação de História e Cultura de Pozuzo, neste local acolhedor são realizadas atividades relacionadas com os costumes pozucinas, principalmente representação de danças típicas. (programação anterior)
Comentários
Ainda não temos comentários acerca de:
Cidade de Pozuzo
Seja o primeiro a deixar um comentário, pois é muito importante, para ajudar a informar outras pessoas

 

Outros locais a visitar

Num raio de 20Km de:

Cidade de Pozuzo

  

Capela San José

0,4 Km
Capela San José

  

Ciudad de Pozuzo

0,5 Km
Ciudad de Pozuzo

  

Casa da Cultura

0,5 Km
Casa da Cultura

  

Igreja do Sagrado Coração de Jesus

0,5 Km
Igreja do Sagrado Coração de Jesus

  

Museu Schafferer

0,7 Km
Museu Schafferer

  

Puente Colgante de Pozuzo

1,1 Km
Puente Colgante de Pozuzo

Reserva de hotéis nas proximidades de Cidade de Pozuzo num raio de 20 km


Sem resultados

Porquê reservar com TOURISTISCHE ROUTEN
Os melhores preços
As nossas parcerias com os maiores operadores mundiais, oferecem uma pesquisa dos melhores preços de mercado.
Mais opções
No Rotas Turísticas pode reservar o hotel, comprar a passagem aérea, reservar o transfer do aeroporto para o hotel e vice-versa, reservar as excursões locais, alugar o carro, fazer o seguro de viagem e consultar os locais a visitar e onde ir
Dicas & Destinos de férias
Centenas de destinos de férias com todas as opções que lhe permitem facilmente escolher o destino que melhor combina com as suas férias de sonho.


Siga-nos nas redes sociais
  

 
Rotas Turisticas
Grupo Público · 8.410 membros
Aderir ao grupo
Podem publicar fotos das vossas viagens, férias, locais que estiveram ou gostariam de estar. Podem divulgar negócios ou actividades...